Investir em pessoas ou em sistemas contra o crime?

Grupo de 30 homens assalta distribuidora de tablets em Campinas

Dez caminhões, oito automóveis e trinta homens !!! É um evento cinematográfico, resultado de planejamento minucioso e execução, até o momento, irrepreensível. Não se trata de exaltar a ação dos criminosos, mas de constatar seu inegável sucesso. E o êxito da missão criminosa propicia reflexão, de minha parte, sobre como é tratada a prevenção ao crime, isto é, atuando numa direção, penso eu, equivocada.

É lamentável, sob minha ótica, a insistência maciça em investir talento, tempo e recursos financeiros em equipamentos e sistemas contra o crime. É cada vez mais frequente/patente a quebra de esquemas “infalíveis”, e isso ocorre porque não há nenhum aparato que seja intransponível, visto que em algum momento haverá algum efeito do uso/operação destas parafernálias por seres humanos, que não são máquinas e que cometem enganos (involuntariamente ou não...).

Outro ponto de reflexão é que enquanto há pessoas com muito talento/genialidade para montar armadilhas e obstáculos para criminosos, há outras pessoas com muito talento/genialidade para ludibriar as armadilhas e transpor os obstáculos.

O cinema, a reboque da realidade, e até “didaticamente”, tem demonstrado que, nesta trama polícia/ladrão, o ladrão acumula pontos e mais pontos, ou ainda, fortunas e mais fortunas...

Pode ser que minha linha de argumentação pareça utópica e inatingível, mas penso que passou da hora de investir mais no homem e menos nos sistemas de segurança. É tempo de resgatar a dignidade da pessoa humana de forma ampla, geral e irrestrita, seja na educação, no emprego, na habitação, na sociedade, etc, etc, etc...

A prosseguir nesta lógica de se armar mais e mais, contra as organizações criminosas, chegar-se-á a algo similar ao embate da guerra fria (se é que já não estamos neste ponto), EUA versus URSS, com uma corrida armamentista que não levou nenhum dos dois oponentes à vitória, à época era comum ouvir que o poderio bélico das superpotências era capaz de destruir a Terra várias vezes, ledo engano, o planeta só pode ser destruído uma única vez... Uma analogia interessante com os modernos sistemas de segurança condominial, em que se troca a liberdade por uma tranquilidade não garantida, o que se atesta pelas grades, videomonitorização e muros, que mais segregam espacialmente - clausuras e celas -, que protegem de fato.

É evidente que a manutenção da ordem pública depende de ações contra o crime e a violência, algumas vezes por via do uso de armas, entretanto também é claro que sem investimento na pessoa humana o único resultado em vista será uma guerra civil, em que se estabelecem dois lados cada vez mais demarcados (física e ideologicamente) e distantes.

http://segurancapublicainterdisciplinar.blogspot.com.br/2013/02/investir-em-pessoas-ou-em-sistemas.html?spref=fb