Três presos por tráfico e homicídios na cidade de Salinópolis




Jackson Santa Brígida. Ao lado, Diego e Josenir


As Polícias Civil e Militar prenderam, nos últimos dias, em Salinópolis, três pessoas envolvidas em crimes de homicídio e tráfico de drogas na cidade. Duas delas são Diego Rodrigo da Silva Brito e Jackson Santa Brigida, indiciados como autores de dois homicídios no município. A outra pessoa é Francilene Ferreira com quem foi apreendida pasta base de cocaína e uma quantidade de dinheiro. Conhecido como “Dieguinho”, um dos acusados (Diego) teria morto, em 28 dezembro de 2012, durante assalto na praça Luiz Bentes, por volta de 2h30 da madrugada, João Sérgio Rocha do Carmo, conhecido como “Lupita”. A vítima, segundo testemunhas, reagiu ao roubo aplicando um soco no rosto do acusado. Armado com uma faca, Diego pretendia roubar o telefone celular da vítima. Durante a reação, João Sérgio foi esqueado no pescoço e faleceu minutos depois no Hospital Regional de Salinópolis.
Durante as investigações, os investigadores Luciano Bizerra e Osvaldo Júnior colheram as primeiras informações no local do crime, sob coordenação do delegado Raphael Cecim, e apoio da Polícia Militar. “Dieguinho” foi indicado como autor do crime. “Ele já tem uma condenação da Justiça por outro homicídio e estava praticando roubos na cidade”, informa o delegado. No dia 19 de fevereiro, após, mais um roubo, o acusado foi preso em flagrante ao tentar fugir da cidade juntamente com Josenir Pinheiro, um fugitivo do Complexo Penitenciário de Americano. Os dois acabaram parados na barreira de fiscalização da Polícia Rodoviária Estadual enquanto tentavam sair da cidade.
Já o outro preso, Jackson Santa Brigida, 18 anos, conhecido por “Gordinho”, foi preso em flagrante sob acusação da matar a companheira Rosiane dos Santos da Silva, 17 anos, crime ocrorido no último dia 6 de março, no interior da residência em que morava o casal, no bairro Nova Brasília, periferia da cidade. Ao ser preso, Jackson negou a autoria do crime e apontou um homem, cujo nome alegou desconhecer, como suposto criminoso. Para apurar os fatos, os policiais civis da cidade, com o apoio da Polícia Militar, iniciaram os trabalhos investigativos. Em menos de nove horas após o crime, dez testemunhas foram ouvidas pelos delegado Raphael Cecim e Saullo Andrade.
Foram realizadas diversas perícias pelo Centro de Perícias Científicas “Renato Chaves”, como local de crime, pólvora combusta e necropsia. Diante das provas, a versão apresentada por Jackson Santa Brigida perdeu força. Ele acabou por confessar o crime e revelou aos policiais que a companheira teria sido vítima de um disparo acidental. Jackson foi autuado em flagrante pelo crime de homicídio e por violência doméstica, com base na Lei Maria da Penha. O juiz local, Eduardo Freire, após tomar conhecimento dos fatos, determinou que Diego e Jackson fossem mantidos presos, pois entendeu que os dois indivíduos expressaram desprezo em relação à vida humana, e por isso, devem ser segregados do convívio social.

Francilene Ferreira
Francilene Ferreira
OPERAÇÃO As Polícias Civil e Militar de Salinópolis, nordeste paraense, iniciaram uma operação denonimada de “Águas de Março”, conforme determinação da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Pará. O objetivo é combater a criminalidade na cidade.

Ações policiais conjuntas serão realizadas durante o mês de março. Nas primeiras horas da operação, foi presa Francilene Ferreira com quem foram apreendidos pasta base de cocaína e dinheiro. O flagrante foi resultado de denúncia no último dia 8.
Ao perceber a aproximação de policiais militares comandados pelo tenente Raiol, a traficante ainda arremessou a droga pela janela em direção ao mangue. Na Delegacia, Francilene negou ser traficante de drogas.