SENSAÇÃO DE INSEGURANÇA

EXISTE, MAS PODE SER CRIADA

            As instituições de segurança estaduais e federais, no transcurso de vários governos, obtiveram variados tipos de investimentos e atenção, que os tornavam com maior ou menor eficiência de acordo com o momento e o governo.
            Há bem pouco tempo a administração pública, começou a observar, que a insegurança pública advêm de fatores, em sua esmagadora maioria, estranhos ao aparato policial que, rotineiramente age nos efeitos; e em função desta observação, passou a direcionar ações de inclusão social para minimizar as causas, cujo os frutos serão observados a médio e longo prazo.Sucintamente dito isto posso afirmar, na qualidade de servidor público da categoria Policial Militar, e por ter observado as mais variadas oscilações de atenção e investimentos, durante os vários governos que se sucedem, que em nenhum momento, as instituições de segurança deixaram de executar em sua plenitude, independente de governo, atenção ou investimento, as atribuições constitucionais de sua responsabilidade, sempre maximizando ações a despeito de condições de trabalho.
A sociedade pode ter a certeza plena, que todos que se homogeneízam para compor as instituições de segurança, possuem como meta de vida pública, servir a população da melhor maneira possível, isto é fato, isto é verdade.
            Tendo a certeza que, qualquer policial gostaria de ter o dom da onipresença, e poder estar no local no momento, que precede qualquer ato delituoso, tudo para atender à sociedade, que jurou defender, porém, não possui tal dom, entretanto, se desdobra, às vezes, com prejuízo da própria folga, na busca do bem servir, usando de tudo que lhe é disponibilizado pelo poder público em benefício do cidadão, isto é um fato, isto é verdade.
            Falhas existem, como em todo canto, entretanto, das instituições, as de segurança pública são as mais saneadoras existentes, isto também é fato, é verdade.
            É necessário que a sociedade e os componentes da sociedade agrupados ou reunidos ou associados em empresas, ONGs, meios de comunicação etc., entendam que, toda instituição legal e com direitos e obrigações constitucionais, devem ser preservadas a qualquer custo em benefício da democracia, e se assim não for possível, para que não incorram em anarquia, na busca da desmoralização institucional, que se mude primeiramente a Ordem, este é o caminho democrático vigente.
            Homens passam, seus erros na administração devem ser julgados na justiça; não devemos atribuir às instituições os erros de seus membros, não é justo é um tiro no pé de quem assim age, a instituição é de todos nós, e em nosso benefício atua, e já possuiu vários “comandantes em chefe” e muitos ainda virão.
         Compreendido tudo isto, me reporto as matérias jornalísticas televisivas vinculadas às várias emissoras do Brasil e local, onde observo que a notícia, principalmente a policial é levada ao público de uma maneira imparcial, relatando o fato em si, e deixando que o público tire suas conclusões sobre o episódio e suas implicações a todos. Mostra o fato, apresenta os implicados, mesmo sendo juízes, desembargadores, delegados, políticos, policiais federais, oficiais da PM, do exército, da aeronáutica ou mesmo o delinqüente comum, sem, no entanto, escacharem ou denegrirem suas instituições de origem ou culpando o governo, deixam ao público o livre arbítrio , de pensarem o que quiserem, isto é democracia, isto é imprensa, isto é preocupação pela estrutura pública, que da sustentação aos poderes aceito e escolhido por todos.
            No momento em que a imprensa rotineiramente e sistematicamente, usa tais noticias em benefício ideológico ou partidário, buscando atingir as instituições e o governo através da sublevação das massas, principalmente a menos instruída, está incentivando a anarquia, está desrespeitando e prejudicando as instituições, está sendo antidemocrática, e ai sim, em função de tal comportamento produz, nos menos desavisados e de visão limitada o “SENTIMENTO DE INSEGURANÇA”, isto é fato, e foi detectado pelo sistema de segurança e pode ser entendido pelo público cônscio.
            O “SENTIMENTO DE INSEGURANÇA” existe, quando o cidadão possui a certeza, de que um órgão constituído, com atribuições definidas em lei, premeditadamente deixa de cumprir suas obrigações legais, e todos podem ser atingidos em seus direitos por tal comportamento. Como exemplo, podemos citar o caso do caseiro Francenildo, que teve seu sigilo bancário quebrado, por membros de uma instituição, que premeditadamente, deixou de cumprir com suas atribuições legais, ai sim, todos que possuíam conta bancária, ficaram com o “SENTIMENTO DE INSEGURANÇA”; mas nem por isso, fecharam suas contas, porque a imprensa noticiou o fato, definiu os implicados na ação e não atacou sistematicamente e premeditadamente a instituição, que continua fortalecida e operante, isto é democracia e é a maneira correta de se levar a notícia de maneira imparcial ao conhecimento do público.



WALMARI PRATA CARVALHO-CEL PM RR