Comando da PM apresenta ações da Polícia Comunitária à Comissão Especial da Assembleia Legislativa


Comandante-geral da PM ao lado do major Alexandre Costa e do juiz Maurício Breda na ALE

O comandante-geral da Polícia Militar de Alagoas (PMAL), coronel Dimas Barros Cavalcante, junto ao chefe do Núcleo de Polícia Comunitária, major Alexandre Costa, e demais membros integrantes do Núcleo estiveram na Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE) para apresentar as ações desenvolvidas pelo policiamento comunitário em Alagoas.
 
A ocasião também contou com as presenças do coronel da Reserva Remunerada da PMAL, Carlos Alberto Mendonça, representando a Secretaria de Defesa Social; juiz Maurício Breda, presidente do Conselho Estadual de Segurança Pública (Conseg); soldado Cleber Saulo, policial da BCS Vergel do Lago; e a líder comunitária Judite Vilela, membro do Conselho Comunitário de Segurança da citada Base.
 
A explanação sobre o policiamento comunitário foi motivada pela Comissão Especial da ALE, que acompanha as ações do Programa Brasil Mais Seguro em Alagoas, formada pelos deputados Ronaldo Medeiros (PT), presidente; Jeferson Morais (DEM); Ricardo Nezinho (PMDB); Gilvan Barros (PSDB); e Pedro Montenegro (advogado e consultor da Comissão). O objetivo foi conhecer o funcionamento e a demanda atendida pelas Bases.
 
O comandante-geral da PMAL, coronel Dimas, falou sobre a importância do momento para a divulgação das atividades desenvolvidas pelas BCS. “O convite da Comissão Especial demonstra o envolvimento da sociedade com esta maneira diferenciada em promover segurança pública”, declarou Dimas Barros.
 
O presidente do Conseg, juiz Maurício Breda lembrou as visitas realizadas pelo Conselho às BCS, no mês passado, e relatou aos membros da Comissão Especial a avaliação concluída. “Acompanhamos o dia-a-dia das Bases e verificamos o trabalho de aproximação dos policiais com a comunidade. As Bases possuem ambiente confortável, integrantes e equipamentos necessários ao seu funcionamento, no entanto, faltam ações em outras áreas como educação e saúde, pois a Base sozinha não vai poder combater os índices de criminalidade; são necessárias ações integradas com outras secretarias”, frisou o juiz ao convidar os deputados a realizar visitas às BCS.
 
Polícia Comunitária
 
O Chefe do Núcleo de Polícia Comunitária, major Alexandre Costa apresentou aos membros da Comissão Especial a dinâmica do policiamento descrevendo os critérios para a escolha da área de implantação de uma BCS; a seleção e capacitação de policiais para atuarem com a modalidade preventiva; as rotinas operacionais e administrativas realizadas pelos integrantes de uma Base; bem como sobre o estabelecimento de parcerias.
 
As Bases contam com as parcerias do Corpo de Bombeiros, através do Projeto Bombeiro Mirim; do Grupo Anjos da Paz da Secretaria da Paz (Sepaz); Universidade Federal de Alagoas; ONG Aldeias Infantis; Ministério Público Comunitário; e do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd) da Polícia Militar.
 
“A Polícia Comunitária agrega valor ao patrulhamento ostensivo através da prevenção ao crime, os policiais possuem um perfil diferenciado que promove aproximação com a comunidade”, destacou o major ao informar que o Governo Estadual pretende instalar mais 10 Bases em Alagoas, contemplando também o interior, previstas inicialmente para Arapiraca e Marechal Deodoro; além das Bases Móveis do Programa Crack, é possível vencer, que a princípio serão voltadas para os bairros do Benedito Bentes e Vergel do Lago com atuação prevista para o segundo semestre.
 
Na opinião do soldado Cleber Saulo, o policiamento comunitário tem apresentado resultados positivos. “A área do Vergel está mais valorizada pelos moradores. Eles costumam nos falar nas visitas que se sentem mais seguros depois da instalação da BCS. O número de homicídios vem reduzindo, quando antes era um problema de grandes proporções. Através da Base desenvolvemos projetos sociais que trazem qualidade de vida aos moradores do bairro”, ressaltou Cleber.
 
A líder comunitária Judite Vilela foi enfática ao destacar o antes e o depois da instalação da BCS Vergel do Lago. “A situação do bairro era de extrema violência e de acumulação de lixo em logradouros públicos. Este caos tem sido combatido através de ações inteligentes, que envolvem os policiais e a comunidade, que aprova e cada vez mais se aproxima da polícia”, declarou Judite.
 
Atualmente, a polícia especializada na prevenção ao crime é realizada através de seis Bases Comunitárias de Segurança (BCS) instaladas em Maceió nos bairros do Benedito Bentes (Conjuntos Selma Bandeira e Carminha); Jacintinho; Vergel do Lago; Conjunto Osman Loureiro, no Clima Bom; e Conjunto Santa Maria, na Cidade Universitária.