Policial militar morto em Ananindeua é enterrado nesta segunda

O corpo do policial militar assassinado em Ananindeua, na região metropolitana de Belém, foi enterrado nesta segunda-feira (8). Ele foi morto no último sábado (6) quando chegava em casa, no conjunto Guajará 1. A polícia investiga a hipótese de assalto e um dos suspeitos já está preso.
Durante a manhã, o cabo Antônio Rogério Leitão Fonseca, 51 anos, recebeu homenagens. O carro que levava o corpo do policial foi levado por um cortejo até um cemitério de Ananindeua, por homens da Ronda Tática Metropolitana (Rotam).
O policial foi assassinado no sábado à noite, quando chegava em casa com a família, no conjunto Guajará 1. A mulher dele desceu do carro para abrir o portão da garagem e assim que o veículo foi estacionado, ela foi abordada por um homem armado, enquando outros dois invadiram a casa.
O policial saiu do carro e quando se deparou com a situação, reagiu à ação dos criminosos, mas acabou sendo atingido com um tiro nas costas.
Fonseca foi o nono policial morto este ano no Pará. O crime está sendo investigado pela Seccional da Cidade Nova. Até agora, um suspeito de 21 anos foi preso. Com ele foram encontradas drogas, munições e um carregador de pistolas, que a polícia acredita ser a arma roubada do PM.
Ele é suspeito de cometer outros seis homicídios, mas nega que tenha sido responsável pela morte de Rogério Fonseca. Ele já foi reconhecido por uma das testemunhas. Segundo o delegado que investiga o caso, a mulher do policial chegou a desmaiar quando viu o suspeito na Seccional. A polícia procura outros envolvidos no crime.
"Já estão sendo identificados e a polícia está atrás, mas em relação à nomes, a gente vai preservar para não prejudicá-los", disse Adelino Souza, delegado.