Mochila com cabeça de marido de policial de UPP é deixada na porta da casa.

De acordo com a PM, a vítima é marido da policial, que atua na UPP de São Carlos

Ana Carolina Torres e Giulliane Viêgas, do Extra ( Facebook )

Mochila é deixada na porta da casa de família de policial em Realengo Foto: Guilherme Pinto / Agência O Globo

Mochila é deixada na porta da casa de família de policial em Realengo.
 Guilherme Pinto / Agência O Globo
RIO — Uma mochila com a cabeça de um homem foi deixada, na madrugada desta terça-feira, na porta da casa da família de uma soldado da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Morro de São Carlos, na Zona Norte do Rio. De acordo com policiais militares do 14º BPM (Bangu), a vítima, identificada como João Rodrigo Silva Santos, de 35 anos, é o marido da policial militar. Equipes da Divisão de Homicídios (DH) foram acionadas pela PM e investigam o crime. A cabeça foi levada para o Instituto Médico-Legal (IML).
A mochila foi encontrada por parentes da vítima quando saíam para trabalhar. A área no entorno da casa, que fica em Realengo, na Zona Oeste da cidade, foi isolada. As motivações do crime ainda são desconhecidas. Policiais do Batalhão de Bangu fazem buscas na região à procura do corpo de João Rodrigo. Eles não descartam a hipótese de o crime ter sido praticado por traficantes de drogas.
Segundo Afonso Silva, irmão da soldado Geísa Silva, de 31 anos, João Rodrigo estava desaparecido desde a noite de segunda-feira. Ele foi sequestrado quando fechava sua loja de suplementos alimentares, também em Realengo. O carro dele, um Hyundai i30, foi levado pelos bandidos e ainda está desaparecido. Ele contou que João já foi jogador de futebol do Bangu, Madureira e Boavista - times que disputam o Campeonato Carioca. Ele deixou o esporte para se dedicar ao comércio.
Ao ver que o marido demorava para chegar em casa e sem conseguir contato com ele, Geísa ligou para o 14º BPM às 21h de segunda-feira. Uma hora depois, procurou a 33ª DP (Realengo) para registrar o desaparecimento de João. Afonso contou que o casal estava junto havia 11 anos.
— Nós agora só queremos saber onde está o corpo do meu cunhado. Não temos ideia do que motivou o assassinato. Queremos Justiça e também que Realengo melhore. A região está muito violenta — disse Afonso.
Vizinhos que moram em frente à casa da PM contaram que ouviram a mulher gritando, por volta das 5h30m: "Meu Deus, é o João! É a cabeça do João!".
— Era um casal feliz, uma família tranquila. Não dá para saber o que pode ter motivado um crime estúpido como esse — disse um vizinho, que pediu para não ser identificado.
Policiais da Corregedoria da PM foram à casa da soldado para conversar com ela. A policial foi levada para a DH para prestar depoimento.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/rio/mochila-com-cabeca-de-marido-de-policial-de-upp-deixada-na-porta-da-casa-10587453#ixzz2j7GpQtfb