Mais guardas vão à Justiça por armas

Guilherme Baffi
Grupo de guardas já conseguiu porte de arma: todos querem
Um grupo formado por 45 guardas municipais ingressou com pedido de habeas corpus (HC) na Justiça para poder usar arma de fogo nas ruas de Rio Preto. O promotor de Justiça Rodolfo Strazzi Pereira já concordou com o pedido de liminar apresentado pelos integrantes da corporação. O Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo já concedeu salvo-conduto e autorizou outros 58 guardas a utilizarem arma de fogo.

O HC será analisado pelo juiz da 2ª Vara Criminal, Luís Guilherme Pião, nos próximos dias. “Concordei com o pedido de liminar, já que existe decisão beneficiando a um outro grupo. Esse pedido é para beneficiar um outro grupo de guardas municipais”, afirmou o promotor. De acordo com Pereira, já existe decisão do TJ que permite aos guardas utilizarem armas.

O HC foi proposto contra o delegado Seccional de Polícia de Rio Preto, Mauro Venturelli, já que, posteriormente, os guardas poderiam ser enquadrados por falta de porte ilegal de armas. “A ação é contra o delegado seccional porque qualquer delegado poderia prender o guarda com a arma”, disse o promotor. O secretário de Comunicação, Deodoro Moreira, afirmou que o prefeito Valdomiro Lopes (PSB) é contra o uso de arma pela corporação.