CLIQUE NO VÍDEO PARA ASSISTIR

Loading...

COORDENADOR DO AFROREGGAE MORRE EM ASSALTO NO RIO

O grupo cultural Afroreggae perdeu o coordenador da Equipe Técnica Social, Evandro João Silva, 42 anos. Ele foi assassinado na madrugada deste domingo, 18, ao ser abordado por assaltantes na esquina da rua do Ouvidor com a rua do Carmo, no Centro do Rio de Janeiro. Segundo a polícia, ele seguia sozinho para uma boate localizada no centro do Rio, embora outras informações indiquem que ele estava saindo da casa noturna.
O crime ocorreu por volta de 1h30. Um amigo de nome Elson, que segundo informações de um irmão da vítima, estava com ele na hora do crime contou que o coordenador havia saído do carro para urinar, quando foi abordado pelos criminosos.
A Secretaria de Segurança do Rio informou que Evandro teve seu carro interceptado por outro veículo de onde desceram dois homens, segundo relato de pessoas que passavam próximo ao local. Tomaram-lhe o tênis, o celular e a carteira. Em seguida dispararam uma vez contra ele e fugiram.
A vítima ainda pediu socorro, porém, quando o resgate chegou, ele já estava morto. O fato de Evandro ter pedido socorro teria assustado os bandidos, que atiraram contra ele. Segundo a polícia, a arma encontrada ao lado da vítima seria dos assaltantes.
O biomédico Elson Passos Senna, irmão de Evandro, contou que ele foi atingido por um tiro de calibre 38, na altura do umbigo, que teria perfurado as artérias femural e ilíaca.
O corpo foi levado para o Instituto Médico Legal, na Leopoldina. O carro foi encaminhado para perícia. A investigação do caso será conduzida pelo 1ºDP (Praça Mauá).
O corpo de Evandro foi velado na capela 8 do cemitério Memorial do Carmo, no Cajú, Zona Portuária do Rio e enterrado às 16h.
Evandro estava AfroReggae há mais de 10 anos e iria formar-se em Pedagogia pela universidade Estácio de Sá, no Rio Comprido, Zona Norte do Rio.
Há 16 anos o Afroreggae surgiu na Favela do Vigário Geral, considerada cenário de um dos maiores confrontos urbanos do Brasil com a morte de 21 pessoas. O grupo mantém uma produtora para promover os grupos criados e uma oficina de fabricação de instrumentos musicais a partir de material reciclado.
O trabalho social desenvolvido pelo Afroreggae foi uma das 41 experiências selecionadas em todo o Brasil como as melhores práticas para serem divulgadas na Feira do Conhecimento realizada no final do mês de agosto na I Conferência Nacional de Segurança Pública (CONSEG).