A emoção do Círio de Nazaré no Rio de Janeiro

O Círio de Nazaré é a maior manifestação religiosa Católica do Brasil e, em Belém, acontece no segundo domingo de outubro.
A procissão de 2011 teve a duração de cinco horas e meia e reuniu, aproximadamente, 2,3 milhões de pessoas. A festa da fé do povo paraense tem ultrapassado barreiras e há registros de procissões em várias cidades brasileiras.
O Rio de Janeiro faz parte da programação oficial do Círio desde de que Dom Orani Tempesta foi nomeado Arcebispo da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de janeiro, em fevereiro de 2009, tendo sido antes disso, arcebispo de Belém, daí a relação com a religiosidade da região amazônica.
A procissão, ocorrida em 05 de agosto, teve início após missa realizada na Paróquia Nossa Senhora de Copacabana, seguiu pela Avenida Atlântica até a Paróquia da Ressurreição, na rua Francisco Otaviano. Ao longo da caminhada, os fiéis tiveram contato com todos os símbolos que fazem parte da procissão paraense.

BERLINDA
Daniel Soave no trabalho de confecção da berlinda.
A berlinda é o local onde a imagem de Nossa Senhora de Nazaré é transportada ao longo das procissões. Este importante símbolo, para o Círio de Nazaré realizado no Rio de Janeiro foi um presente do G.R.E.S. Imperatriz Leopoldinense à Arquidiocese. Além da relação de fé entre componentes da escola e a padroeira do Pará, a escola defenderá em 2013 o enredo “Pará, o muiraquitã do Brasil”, o que aproximou ainda mais os dois estados.
A berlinda guiada pelos fiéis.
Com a estrutura pronta, a berlinda é ornamentada com flores até que a imagem seja colocada em seu devido lugar para o início da procissão. Há um grupo responsável por cuidar da segurança e transporte da mesma, a Guarda da Santa.


CORDA
Elemento tradicional do Círio
Acoplada à berlinda, a corda da procissão paraense tem cerca de 400 metros e aproximadamente 700 quilos. No Rio, a tradição é mantida, mas em menores proporções: são 100 metros de corda e o clima no entorno da mesma é muito mais tranquilo.
Pés preparados para a caminhada.
Acompanhar o Círio na corda é promessa feita por milhares de paraenses e cumpri-la exige muito esforço físico e psicológico. A procissão do Rio de Janeiro, por ser menor do que a ocorrida em Belém, possibilita a presença de crianças e idosos junto a este símbolo tão significativo para a fé do povo católico paraense.

A FÉ ROMPENDO FRONTEIRAS
Ao contrário do que muitos imaginam, a procissão do Círio de Nazaré no Rio de Janeiro não reúne apenas os paraenses que vivem fora do estado. Dominguinhos do Estácio, intérprete do G.R.E.S. Imperatriz Leopoldinense, é velho conhecido dos paraenses devido a relação de fé com Nossa Senhora de Nazaré.
Dominguinhos do Estácio
Um dos sambas de enredo mais conhecidos do carnaval carioca (Festa do Círio, de 1975 | Estácio de Sá) deu início a essa relação. Lá se vão 37 anos e Dominguinhos ainda é figura cativa no segundo domingo de outubro, em Belém. Ele é apenas um dos muitos exemplos de cariocas que mantem a devoção por Nossa Senhora e contribuem para que o Círio ultrapasse as barreiras geográficas.
Dominguinhos do Estácio é cidadão do Pará.