Em entrevista, presidente do TJD comenta suspensão dos jogadores de Remo e Paysandu


Em entrevista, TJD comenta suspensão de jogadores (Foto: Divulgação/FPF)
Antônio Barra Brito (foto), presidente do TJD-PA (Foto: Divulgação/FPF)
O presidente do TJD-PA, Antônio Barra Brito, afirmou na manhã deste sábado em entrevista à Rádio Clube do Pará, que a decisão do TJD-PA em suspender jogadores e treinadores de Remo e Paysandu, foi totalmente baseada no que preza a entidade máxima, o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) que é a disciplina nas praças esportivas do país.
As alegações do presidente sobre o tempo hábil para que a decisão fosse tomada momentos antes da decisão do Campeonato Paraense foram justificadas pela minuciosidade necessária para a análise das imagens da briga. Segundo Barra Brito, os envolvidos precisavam ser identificados com rigor e atenção pela Procuradoria.
"A sociedade precisava de uma resposta. As torcidas não merecem assistir um espetáculo negativo como aquele. Os corpos jurídicos de Remo e Paysandu têm o direito de tentar reverter a liminar, porém o STJD é muito rígido na parte disciplinar. Independente do momento, não poderíamos deixar de dar a punição", afirmou.
Liminar suspendeu por 30 dias jogadores e membros das comissões técnicas de Remo e Paysandu. (Foto: Reprodução)
Em um momento da entrevista, o mandatário máximo do TJD-PA, foi questionado sobre o caso do zagueiro do Remo, Carlinho Rech, e o treinador Roberto Fernandes que estariam no vestiário no momento da confusão e mesmo assim entraram na lista de suspensos.
"Não posso comentar nenhum tipo de decisão tomada pela Procuradoria. Peço total reserva para não dar minha opinião sobre as situações dos envolvidos de forma não oficial", finalizou Antônio Barra Brito.