SEGURANÇA PÚBLICA: o problema está no modelo

Desde 1997 a minha fala sempre apontou para uma atuação prioritariamente preventiva do Estado. Todavia, não teve eco.

Os governos foram passando e os gestores de Segurança Pública, sempre perdidos nas suas ações, recorriam a modelos de última hora: esvazia quartel, força pela paz e outras situações. Sempre tivemos "operações" e não modelos de atuação.
E as operações têm resultados, sim, mas de curta duração.
Se perceberem, a criminalidade deu uma segurada... observem.
Sabem porquê?
Porque foram desencadeadas as operações... inclusive esvaziando as salas dos cursos de formação.
Mas, só que os alunos se formaram... e agora?

Portanto, o que quero dizer neste momento não é contrário à atitude de se ter colocado os alunos nas ruas. A alternativa foi essa: endurecer contra o crime repressivamente. Correto.

O que quero alertar é a ausência das ações de outras pastas (esporte, cultura, lazer, educação, meio ambiente, urbanismo, etc).
Além do que, fora a nossa divisa e fronteira desguarnecidas, não temos uma política sobre drogas.
Aliás, não temos sequer  uma política educacional que nos ajude...

Mas, o pior de tudo é que eu falei isso em vários governos, mas sempre acabei mal compreendido.
Uma hora fui chamado de tucano de alta plumagem e na outra, PT de carteirinha.
Eram meus próprios colegas querendo me desqualificar diante dos governantes.
Porém, o que me conforta é que as pessoas, de forma unânime, agora buscam um modelo. E este modelo que buscam é sempre orientado pelas boas práticas no país, que em alguns estados  até ajudei a construir, enquanto que aqui no Pará sempre prevaleceu uma resistência à prevenção.
Nunca é tarde para começar. Mas, precisa começar efetiva e sistematicamente.
E não com iniciativas pontuais dos bravos policiais, verdadeiros heróis que ainda resistem (apoiados pela população) em Dom Eliseu, Bragança, Marituba, Oriximiná e em bairros da capital, como Cidade Velha, Campina e Terra Firme.
Mas, esses policiais não são apoiados pela comunidade?
Por que, então, não é esse o MODELO OFICIAL?
Eu sempre soube.
Mas, paguei caro por isso.
Porém, a minha fala é a mesma.
Embora eu NUNCA TENHA FALADO SOBRE ISSO COM NENHUM GOVERNADOR OU GOVERNADORA.
Também, pudera, alguns colegas (que inclusive quiseram impedir a minha promoção a coronel) nunca deixaram.