“Me escutem”

No último dia 14 de fevereiro, meio da festa de carnaval aqui no Brasil, um garoto japonês de 11 anos cometeu suicídio na província de Osaka, se jogando na frente de um trem que passava pela estação.
O motivo: ele não queria que a prefeitura fechasse sua escola.

A escola em questão ia ser integrada a uma outra da vizinhança em abril, de acordo com as autoridades locais. Em sua carta de despedida, o garoto escreveu:
“Por favor, em troca da minha pequena vida, cancele a integração da escola.”
Pouco antes de suicidar-se, ele havia reclamado que “Ninguém escuta nossos sentimentos, quando nossas escolas estão prestes a serem destruídas”, como um pedido pra que a escola não fosse fechada.
Sua mãe, 47 anos, disse:
“É lamentável que eu não pude entender os sentimentos do meu filho. Não quero que outras crianças pensem que podem mudar o mundo por meio de suicídio.”