HILÁRIAS PASSAGENS DA CASERNA

Coronel Walmari Prata Carvalho

Como prometido foi reporto-me agora a mais uma das inúmeras passagens hilárias de caserna, esta, talvez, não venha a ser considerada tão hilária para aqueles que, não vivenciaram a época em que o fato ocorreu, mesmo porque, nos dias de hoje tem gente mudando o ritmo ate do sermão das três horas da agonia; novos tempos, novos dias.
Mesmo assim esperando levar aos corações saudosistas, e, impregnados com os sentimentos nacionais que, o então momento será despertado na grande maioria os quais perceberão em maior profundidade o fato em si, e, sua decorrente provocação ao hilário.
Minha turma de NPOR 1970 realizava manobra, e, neste especial momento todos se encontravam dentro de um barco de três andares, movido por imensas pás em sua popa, o qual lentamente subia o rio Madeira. 
O andar de cima era ocupado pelo general comandante da manobra, e, seu staff. No andar mais abaixo todos os membros alunos do NPOR.
Para quebrar a monotonia do deslocamento, uns jogavam damas, outros o domino, o Aluno Watrin pescava saborosos surubins os quais serviam como verdadeiro banquete para poucos privilegiados como eu, que podia substituir o rotineiro cozido pela iguaria fresca que acabara de ser pescada, logicamente sem que os superiores soubessem.
Enquanto isso o hilário, espirituoso, safo, e, em alguns momentos apropriados, gaiato aluno Camilo Delduque dedilhava seu violão em acompanhamento as musicas que cantava em ‘’atendimento’’ aos desejos musicais do general, que o escutava do andar de cima.
Depois de discorrer todo seu repertorio, e, ate mesmo repeti-lo extenuadamente o aluno Delduque parou a cantoria.
O general que parecia estar gostando do som questionou ‘’Porque parou; parou porque’’;o aluno justificou o cansaço;de nada adiantou,o general queria mais;o aluno justificou haver exaurido o repertorio,de nada adiantou,o general queria mais.
Sem nada mais em ter como justificar sua mudez musical,o aluno silenciou suas justificativas,e,saiu da vista do general.
Colérico o general chamou o Capitão EB Dalter,comandante do NPOR determinando que ordenasse ao aluno que voltasse a cantar.Argüido pelo capitão o aluno justificava não ter mais o que cantar.De tanto ouvir a insistência do capitão,e,para não deixá-lo em descrédito junto ao general disse o aluno ao seu comandante;’’Capitão como o senhor pede mais uma vou lhe atender,mas,o general não vai gostar do som’’;responde Dalter,não faz mal Delduque,pelo menos te livra logo dele.
Ato continuo o aluno dedilha em seu violão um samba,e,ao começar a cantar emana com sua voz a letra do Hino Nacional Brasileiro.
Todos incontinente debandam do local ouvindo ao longe o bravejar do General;naquela época o hino em ritmo de samba era o mesmo de ver cristo sendo pregado na cruz.Ao fundo o sorriso entre dentes de todos os alunos,que em segundos cessaram dando lugar a um corretivo sobre os valores  dos símbolos nacionais,e,o comportamento exigido para todo militar perante estes símbolos.
O aluno Delduque desceu cabisbaixo,e,não cantou o resto da viagem toda,e,nem mesmo o general desejou novamente exigir,que o aluno cantasse.Imaginem o fato em 1970,na época nos permitimos um sorriso apertado,depois,um sorriso mais solto,hoje quando ate a Fafá de Belém canta nosso hino em ritmo de carimbo,podemos gargalhar,porem,sempre respeitando nossos amados símbolos,mesmo preferindo-o no original.
Quem souber que outro conte.


WALMARI PRATA CARVALHO.